A Família e a Obesidade Infantil.

A obesidade infantil é um importante aspecto para o progresso das doenças crônicas da contemporaneidade, a família tem uma grande influência na ingestão alimentar inadequada da criança, oferecendo fast foods, refrigerantes e vários outros alimentos calóricos. Infelizmente o apelo de consumo a esses produtos industrializados estão cada vez mais fazendo um desserviço à comunidade infantil e adulta.

Inúmeros fatores estão relacionados ao excesso de peso, o sedentarismo é um deles, crianças que ficam muito tempo assistindo televisão, navegando na internet, jogando videogames. Os pais acabam contribuindo inadequadamente à essa prática “do ficar parado”, pois a criança tem a tendência em seguir e imitar seu exemplo, abandonando ou deixando de lado as atividades que deveriam fazer parte do seu cotidiano, como andar de bicicleta, nadar, correr, enfim qualquer esporte ou atividade física que a criança tenha prazer em fazer.

Outro fator desencadeador da obesidade são os padrões alimentares da família, que também pode estar obesa, a consequência desse estilo de vida cada vez mais irá “pesar” na balança dessas crianças.

Problemas genéticos e hormonais também são fatores que podem contribuir.

Por outro lado, a comida está muito ligada às emoções, desde os primeiros anos de vida da criança a amamentação tem um papel fundamental na relação de amor entre a mãe e o bebê, é pelo olhar, é pelo carinho que eles se entrelaçam.

O bebê muitas vezes chora, por fome, dor, manha, sono, mas algumas mães não conseguem identificar suas súplicas e, diante de qualquer reivindicação, respondem com alimentação. Desse modo a criança não consegue discriminar a fome de outras sensações de desconforto.

Assim os pais podem como tática de reparação à falta de carinho ou atenção, prover quantidades exageradas de comida. A criança pode desenvolver o hábito de comer em excesso por sentimento de rejeição, desamparo, insegurança, irritabilidade e ansiedade, podendo evoluir para um padrão alimentar irregular até a compulsão alimentar quando adultos.

É na infância que se deve prevenir a obesidade, é nessa fase que ainda se tem a possibilidade de adquirir um estilo de vida saudável, é imprescindível o tratamento com uma equipe multidisciplinar, não somente a criança, mas toda a família, a responsabilidade deve ser compartilhada.

O melhor caminho é a família unida em torno de um mesmo objetivo, a saúde física e mental de todos.