Quando a depressão na adolescência se torna fatal

Nesse final de semana a adolescente Yasmim Gabrielle Amaral, que ganhou popularidade no Programa Raul Gil, cometeu suicídio. A jovem vinha há algum tempo sofrendo de depressão, e o caso reforça a preocupação com o alto índice de suicídio entre adolescentes. 

Para falar um pouco sobre essa doença que atinge milhares de crianças e adolescentes como Yasmim, nós convidamos a nossa psicóloga especialista em atendimento infantojuvenil, Jéssica Chiminazzo.

Hoje falaremos de um assunto muito comum na adolescência e que permeia os transtornos alimentares e os demais distúrbios mentais, mas que também pode aparecer isoladamente: a depressão. 

Com o aumento de casos de suicídio deste público no mundo falar sobre o Transtorno Depressivo é algo fundamental, pois os adolescentes da atualidade estão cada vez mais introspectivos e ao mesmo tempo deprimidos. Isso se deve não somente a questão da transição da vida infantil para a preparação à vida adulta, mudanças corporais, hormônios e todos os assunto que já abordamos aqui, mas também a fatores sociais contemporâneos que citarei a seguir. 

1- A questão biológica, social e psicológica que a personalidade do indivíduo é a forma mais difícil de identificar a depressão no convívio diário, pois é uma tendência que pode surgir desde a infância e ser vista como algo de como ele é e não de algo que lhe causa angústia desde pequeno. Hoje, crianças no início da infância podem estar deprimidas apresentando isolamento, irritabilidade, agressividade, quietude, dificuldade de interagir com outras crianças, medo, ansiedade, entre outros comportamentos.    

2- A era digital onde eles se isolam cada vez mais para estarem conectados ao mundo, são altamente influenciados pelas vivencias dos demais e acabam se comparando o tempo todo e se sentindo inferiores por algo que outro tem/consegue e ele julga não ser capaz. Aqui também podemos citar o surgimento de pessoas induzindo-os e manipulando-os a tomarem atitudes prejudiciais a si próprios, inclusive machucar-se e suicidar-se (Momo, Baleia Azul, fóruns de como cometer suicídio escondido e deixar um bilhete póstumo impactante, etc). 

3- A facilidade do acesso aos serviços de streaming onde a adolescência é pauta e a forma como cada adolescente é influenciado com o conteúdo (suicídio, drogadição, perversão, manipulação do outro, bullying, vingança).

4- A diminuição de membros na família e o aumento da carga horária de trabalho, o que faz o adolescente permanecer mais tempo sozinho e, este fator, é o que faz ele ter acesso mais direto aos dois fatores citados acima. Isso acarreta na dificuldade de formar vínculos afetivos consistentes e ter pessoas como referências de apoio para conversar sobre seus anseios, angústias e pedir ajuda.

5- Já se sabe que, biologicamente, o sono é de extrema importância nessa fase, pois dormir pouco tem grande repercussão química no cérebro, causando maior nível de estresse, depressão e ansiedade.

6- Adolescentes, hoje, também estão com maior número de atividades nos colégios e preocupações com a vida futura, seja no âmbito pessoal ou profissional. Percebe-se um grande nível de ansiedade para obter os melhores resultados e dificuldade para lidar com o que julga ser um resultado ruim. Ele teme o fracasso, teme não ser capaz, teme não dar orgulho e corresponder as expectativas das pessoas que lhes são importantes.

 A Organização Mundial da Saúde – OMS criou uma cartilha de apoio para prevenir o suicídio na adolescência e o acesso é aberto para todos na internet.

Se você percebeu que seu filho, amigo ou alguém que você conhece está diretamente ligado a um desses fatores, converse com ele sobre o assunto o mais rápido possível. Caso negativo é importante debater sobre este assunto, pois a depressão é silenciosa e pode não se manifestar nas atitudes do convívio diário, mas nesta fase ele pensamentos de morte estão extremamente presentes. Como a impulsividade está num nível bastante elevado nesta fase é importante perceber como adolescentes do seu convívio estão se sentindo, pois o medo de não lidar com o assunto pode ser irreversível.

A maior forma de prevenção da depressão na adolescência é o acolhimento e a empatia das pessoas próximas. Sentir, ouvir, compreender, perceber e dividir sentimentos com a criança e o adolescente é vital. Caso você se identificou com isto, seja você de qualquer idade e acredita precisar de ajuda, estamos aqui para lhe dar o apoio que necessita. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *