A visão da nutrição quanto a ortorexia.

Quando falamos sobre saúde e alimentação saudável somos bombardeados por novos produtos alimentícios, suplementos nutricionais, novas descobertas científicas e até mesmo pelo saber popular passado de geração em geração. Afinal, quem nunca se viu preocupado sobre o que realmente podemos comer? Ou, o que é de fato saudável para o nosso organismo? Se os alimentos industrializados são ricos em açúcares e gorduras, as frutas e verduras por sua vez apresentam elevado teor de agrotóxicos, e como se não bastasse volte e meia a ANVISA proíbe a comercialização de algum gênero alimentício. Diante de tantas variáveis a preocupação com o comer torna-se comum. Entretanto precisamos entender que todos os excessos devem ser evitados, até mesmo o excesso de preocupação com o que comer.

Há aproximadamente duas décadas um novo transtorno alimentar foi identificado: a ortorexia nervosa. Ela se refere justamente a essa obsessão por comer saudável, que de tão excessiva torna-se patológica. Diferente à anorexia e bulimia, onde existe resistência ao comer, na ortorexia o ato de comer não é um problema, desde que o alimento tenha sua origem conhecida e seu valor nutricional previamente analisado. Tal busca por uma alimentação perfeitamente saudável, em muitos casos acaba resultando em quadros de carências nutricionais. Alguns comportamentos obsessivos e repetitivos em relação ao comer podem sugerir a presença da ortorexia, entretanto apenas um profissional qualificado pode realizar o diagnóstico correto.

Em relação ao ponto de vista da nutrição é preciso observar que apesar de ser fundamental conhecer a origem do alimento adquirido, bem como o seu valor nutricional,  comer é antes de qualquer coisa um ato social. Pois, é em família que realizamos as primeiras refeições, é entre amigos que dividimos  alimentos,  é com comida que celebramos a vida! Seja em ocasiões especiais ou naquele simples almoço de domingo. Nossas memórias são formadas também pelo paladar, como aquele bolo de fubá da vovó, aquela sobremesa de natal, ou o chazinho com cheiro de infância.

Portanto não esqueça! A sua saúde é o que existe de mais precioso, cuide-se e utilize as ferramentas e informações disponíveis com equilíbrio e sabedoria para alimentar-se de forma saudável e prazerosa!

Texto da nutricionista do IPCAC Êmellie Alves.